sábado, 26 de junho de 2010

S

Nunca falei direito de S. Só que ele tem adoráveis olhos azuis e que a gente se conheceu em Sevilla, de lá ele me seguiu até Granada e acabamos combinando de nos encontrar na Itália para esse Test Drive. Foram alguns dias só, e dois malucos se jogam em uma jornada de semanas e intimidade extrema muito rápido. Porque será que duas pessoas fazem isso? Porque foi especial em Granada, isso é verdade. E porque é difícil e raro encontrar alguém com tanto em comum. S possui um negócio na internet. Trabalha algumas horas por semana virtualmente. Pode trabalhar de qualquer lugar do mundo, só precisa de um computador e conexão com a internet (alguma semelhança?). Ele também tirou esse ano para viajar pela Europa de mochila. Temos praticamente os mesmos países na lista para conhecer. E ele também se desfez de tudo antes de vir. Fechou apartamento, doou o carro. É um homeless como eu, com algumas caixas guardadas em algum depósito de New Jersey. Tanto eu como ele temos um senso de humor sarcástico, gostamos de dar risadas de coisas que não é todo mundo que acha engraçado. Também gostamos de ficar sozinhos e em silêncio (essa talvez foi a melhor coisa do test drive até agora, descobrir como ficamos bem em silêncio um com o outro). Nós nos jogamos nesse test drive porque é tão difícil encontrar alguém como você mesmo. Alguém com as mesmas ambições de vida. Os mesmos valores. Que também topa passar perrengue em estação de trem, e dormir em hostel, e se enxergar carregando mochila até na terceira idade. Alguém que pensa como seria legal criar filhos assim. Que em vez de achar uma loucura, acha que seus filhos cresceriam com uma incrível noção de vida. Toda noite dorme de conchinha comigo (em inglês é “Big spoon, small spoon”). Pois é, ele é minha Big Spoon. Só que a gente tem tanto em comum, que ele também tem uma monstrinha. Uma história que o machucou e tirou sua capacidade de confiar. Ele está aqui, fazendo sua parte, se esforçando para se deixar envolver. Eu consegui dizer adeus ao meu monstrinho. Ele está tentando dizer adeus a dele. Mas nesse exato momento, no nosso test drive, tem uma monstrinha sentada no banco de trás.

2 comentários:

MH disse...

Monstros fazem parte... Deixa ele precisar do tempo dele, como você precisou do seu. E vai levando e curtindo porque, realmente, encotnrar alguém com tanta sintonia é raríssimo!

Vanessa disse...

Querida cada coisa a seu tempo... o monstrinho dele é mais recente, por isso a cicatriz está precisando ainda de metiolate, aquela limpadinha todo dia para a ferida secar e depois fazer o curativo de novo... se todos os dias renovarmos o curativo e dermos um beijinho para ficar bom logo formará a casquinha e depois ela cairá deixando apenas uma manchinha que vc nunca lembra que existe e até se orgulha de tê-la, pq quer dizer que vc sobreviveu e venceu!!! Será o máximo!!! Então ajude a cuidar da ferida e dê um beijinho todos os dias, logo tudo será somente a tal da manchinha... ;)
Bjnhos