quinta-feira, 20 de maio de 2010

SLEEPING IN AIRPORTS



Meu vôo de volta do Marrocos chegou no Aeroporto de Barajas às 22h. No dia seguinte eu ia pegar outro vôo para Lisboa. Imagina só: chegar, pegar mala, arrumar algo para comer, pegar o último metrô até a região central de Madrid, se hospedar em Hostel, abrir mochila, pegar necessaire, tomar banho, voltar para o quarto, colocar pijama, dormir algumas horas, acordar, empacotar toalha molhada na mochila, ir até metrô, voltar para o aeroporto para, enfim, fazer check in e pegar um avião tudo de novo. Parece meio sem sentido, não? Então eu estava pensando em “dormir” no aeroporto. Ficar por lá mesmo. Escrevendo no computador, lendo alguma coisa. Passeando pelos terminais. (Se o Tom Hanks ficou morando no JFK, porque eu não posso passar uma noite em Barajas?) Compartilhando essas idéias com alguns viajantes que encontro pelo caminho, eles me falaram desse site:


Funciona como um guia para ajudá-lo a tirar o melhor das pernoites nos principais aeroportos do mundo. A prática é tão comum e popular que aeroportos mais concorridos como o de Heatrow em Londres até fornecem colchão e corbertor para os malucos que vão passar a noite entre os terminais. Entrei no site, adorei e resolvi colocar mais essa experiência no currículo. Me estiquei no Terminal 1 do Aeroporto de Madrid. Dizem que o Terminal 4 é o mais confortável, mas ficava do outro lado do mundo, então fiquei por ali mesmo. Do meu lado uma família portuguesa jogava “Stop” para passar o tempo. Algumas outras pessoas se aninharam perto da cadeira que eu estava. Por volta de 1h da manhã comecei a tentar várias posições fracassadas para dormir, até que resolvi deitar no chão frio de mármore mesmo. Às 2h estava com frio e entediada, a cadeira era desconfortável demais e a bateria do meu Ipod tinha acabado, então resolvi dar uma volta. Quando me disseram que dormir no aeroporto era uma prática popular, eu não imaginava que fosse tanto. Para todos os lados as pessoas de todas idades estavam deitadas, encolhidas, lendo, vendo filmes nos laptops. No setor de embarque então, parecia acampamento de férias. Grupos de amigos em círculos, namorados enrolados embaixo de jaquetas. Eram tantas pessoas que parecia aquelas cenas de caos aéreo que a gente vê no telejornal. As esteiras do check in tinham sido todas transformadas em suites particulares. Para não dizerem que é história de pescador (e como eu estava mesmo entediada) fiz um ensaio para colocar aqui. Agora, pensa bem. Isso é um pouquinho do Terminal 1 do Aeroporto de Madrid às 2h da manhã. Imagina que só Barajas tem 4 terminais. Vai multiplicando pelo número de aeroportos e terminais nas principais cidades do mundo... Agora se pergunta: Como é que eu nunca fiz isso antes???


2 comentários:

MH disse...

hahahah

haja posição... eu acho que só encaro se o vôo seguinte for bem curtinho, porque começar um voo longo com torcicolo deve ser uó.

beijos

Vanessa disse...

kkkkk... Êita vida de viajante e muita disposição para rir disso depois!!! kkk
Barajas realmente não é um aeroporto interessante para dormir. Pelo menos em Heatrow tem umas espriguiçadeiras excelentes!! Você fica bem aconchegadinho nelas!! hehehe
Nos EUA, os aeroportos tb são fantásticos para dormir. Todos (pelo menos todos que frequentei) tem carpete no chão, então vc coloca sua malinha de travesseiro e fica tudo gostoso. Eu passei bastante tempo nos aeroportos do EUA durante o Hurricane Katrina em 2005. Pois é, eu estava tentando atravessar os EUA da Costa Oeste para a Leste fazendo 2 escalas e cuidando de 2 crianças bem no meio da catástrofe ocorrendo. Q blz!! rs
Bjnhos e se cuida!